31.8.08

o barraco da vizinha

De uns tempos para cá, eles andavam quietos. Nada de portas batendo, gritarias e choros. Nenhuma menção a suicídio, nenhuma declaração voraz, nada de acusações contra alguém cujo nome nunca entendi. Hoje eles voltaram, com suas angústias reprimidas e suas brigas intermináveis. O menino que berra bate o pé com força e treme o meu chão. Ele tem tanta raiva e a moça o chama de neurótico sem parar. Daqui a pouco um começa a chorar, mas nunca sei bem quem é. O som abafado dessa cidade está tornando difícil acompanhar a novelinha da vizinhança no cortiço de nome indígena que é o meu prédio.

E por falar em vizinhança, o casal gay que eu tanto gostava, do prédio aqui ao lado, se mudou. Esse prédio é o inferno dos meus dias, fica colado assim ao meu e já gerou constrangimentos, porque esqueço que agora tenho platéia.

Mas o casal era fofo, tinha uma cozinha ótima, fazia várias festinhas. Devem ter ficado de saco cheio da falta de privacidade, assim como eu. E puderam mudar-se, coisa que ainda não posso. Vamos ver quem serão os próximos no panóptico.

Etiquetas:

0 Comments:

Publicar un comentario

Links to this post:

Crear un vínculo

<< Home